• Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

       
    ÁREA DO
    ASSINANTE
    ESQUECEU SUA SENHA?
    Você receberá em seu e-mai uma nova senha para login.
    

    Assine 35 3529-2750

    Fale Conosco contato@clicfolha.com.br

    WhatsApp 35 9 9956-5000

    
    19/10/2019 08h52 - Atualizado em 19/10/2019

    Orlando Drummond faz 100 anos

    Não é para qualquer um. Completar 100 anos esbanjando alegria e muito bom humor é para poucos. E Orlando Drumond pode se vangloriar de ter chegado a essa avançada idade cheio de energia e consagrado pelos fãs. Além de viver o icônico Seu Peru, na Escolinha do Professor Raimundo, o humorista e dublador deu voz a inúmeros personagens, como é o caso do Scooby-Doo. Aliás, no domingo vai ao ar o episódio da Escolinha com homenagem a ele, que faz aniversário nesta sexta, 18.

    E quem pensa que a idade faria sua carreira parar está enganado: há alguns meses, ele dublou o clássico personagem Vingador, de A Caverna do Dragão, para um comercial de carros, e, em maio deste ano, retornou à Escolinha do Professor Raimundo como Seu Peru para gravar um episódio especial.

    “Chego ao meu centenário do jeito que todo homem de sorte sonharia: ao lado de minha Família e das pessoas que amo. Levo a vida da mesma maneira ao longo dos anos, com amor e humor. Que venham outros cem! Sou grato por tantas demonstrações de carinho e admiração! Obrigado! Graças a Deus!”, declarou Drummond ao E+ em ocasião de seu aniversário.

    O episódio da Escolinha com Orlando Drummond está previsto para ir ao ar na Globo na semana de seu aniversário, no próximo domingo, 20, mas já foi exibido na TV paga e está disponível no Globoplay.

    Nele, o Seu Peru vivido por Marcos Caruso se depara com o personagem original. Após a ‘confusão’, o Professor Raimundo, interpretado por Bruno Mazzeo, filho de Chico Anysio, pede à toda turma que cantem Parabéns a Você para o aniversariante de cem anos.

    “Não tem preço. Enquanto eu estiver vivo, estarei presente com muito amor e carinho. Obrigado, obrigado, obrigado”, agradeceu Orlando Drummond, na ocasião das gravações.

    Ao longo da carreira, o ator também participou de diversos programas de humor e fez até algumas pontas no cinema. “Sempre fugi de novela”, contou Drummond em 1998.

    Como dublador, é lembrado com frequência por ter feito a voz de personagens marcantes como Scooby-Doo, o marinheiro Popeye e Alf, o ‘Eteimoso’. Confira na galeria a seguir alguns dos principais personagens dublados por Orlando Drummond:

    O início 

    Orlando Drummond sabe até mesmo a data do dia em que ‘tudo começou’ em sua carreira. Foi na Rádio Tupi, em uma sexta-feira, 13 de agosto de 1942. “Dizem que dá azar, só me deu sorte”.

    Em entrevista a Zé do Caixão, relembrou detalhes de como chegou à Tupi: “Foi muito engraçado. Eu não tinha nada a ver com rádio. Começou com uma briga na Lapa, fui tomar partido de um amigo, Frederico, que era da polícia especial.”

    “Estávamos sentados, de repente veio um camarada todo esfarrapado, rasgado, e disse, ‘Fred, estão massacrando o Camarão na Taberna da Glória!’. Tirei o meu casaco e fui atrás para defender o Camarão. Não sabia quem era, mas era amigo de um amigo!”

    “Quando cheguei lá, uma balbúrdia, cadeira para lá, para cá e só tinha homens de dois metros. Eu era remador, malandro velho, tinha boa compostura física... Vou entrar nessa briga. Mas o tamanho dos homens me assustou. A gente tem que respeitar.”

    Na sequência, Orlando Drummond se ‘estranhou’ com um homem que havia levantado para fugir, e acabaram trocando cabeçadas: “De repente acabou a briga de todos lá no bar, porque a polícia chegou. E eu continuei brigando com o cara.”

    “A polícia nos separou. ‘Prenda esse safado, esse moleque!’ Sabe quem era o cara que mandou me prender? O Camarão, que eu não conhecia. Nos tornamos amigos e ele me apresentou a um cidadão que era o cantor revelação de 1941, Moraes Neto.”

    Orlando Drummond contrarregra e o ‘empurrão’ de Paulo Gracindo. “[Ele] me levou para a Rádio Tupi um dia. Fiz um teste como contrarregra, para fazer ruídos, passos, bater na porta, e tudo mais... Eu tinha muito talento para aquilo, modéstia a parte, e fui logo aprovado pelo Olavo de Barros, que era uma estrela, diretor de rádio teatro.”

    Orlando Drummond começou a aparecer mais para o público no programa Rádio Sequência G3, à época em que era apresentado por Paulo Gracindo, em 1946: “[Ele] me deu a chance de falar”.

    “Aí, pronto. Foi descoberto um comediante! Eu gostava muito. Tenho bom humor e recomendo o humor para todo mundo. É a melhor coisa e me trouxe onde me trouxe”, continuou.

    Em diversos momentos, Orlando Drummond faz questão de relembrar a importância do artista para sua carreira: “Paulo Gracindo me elevou à carreira de ator. Começou a me dar uns papeizinhos, umas coisinhas. Fui fazendo, quando eles viram, eu já estava dentro”.

    Seu Peru

    Papel mais conhecido de Orlando Drummond na TV, Seu Peru fez sucesso na Escolinha do Professor Raimundo ao longo dos tempos, e ganhou também ‘variações’ nos programas de Chico Anysio, como o ‘Vamperu’, sua versão vampiresca.

    Sobre a origem do personagem, explica: “Ele não foi feito para mim, mas para um aluno da Cininha [de Paula], sobrinha do Chico Anysio. Na hora da gravação, ele não apareceu, porque [o personagem] era um ‘bicha’, os amigos dele devem ter dito: ‘pô, tu vai fazer isso na televisão?’”.

    “Quando o garoto não apareceu, o Chico Anysio deu a ordem: ‘chama o Drummond!’. Eu tava indo embora. Pô, como é que eu vou fazer o negócio aí? ‘Não, é uma coisinha à toa só, uma apresentação, depois você vai fazer uma coisa melhor. Me ajeitei e fiz o Seu Peru.”

    Ele afirma que a origem da forma como interpreta Seu Peru teve origem nos seus tempos de Sequência G3: “O Peru foi criado já no rádio. Eu fazia o Lúcio, o Granfino, ele falava sobre moda, essas coisas”.

    Entre os bordões de Seu Peru, estavam frases como “Tô porr aqui” e “Te dou o maiorr apoio”, com a letra ‘R’ carregada, e um gesto com as mãos próximo ao pescoço. “O bordão nasceu sem eu querer. Estava escrito no papel ‘Te dou o maior apoio’. Algumas pessoas ainda me encontram se lembram disso”, contou ao extinto programa Vídeo Show, em 2015.

    O personagem também lhe rendeu situações curiosas ao longo da vida: “Estava com minha mulher andando em uma praça e veio uma senhora. ‘Ah, Seu Peru! Me desculpe, minha senhora, mas eu amo!’, e me beijou na boca, com minha mulher do lado. O que é isso!” “Corri o Brasil todo fazendo Seu Peru. Não sou mais Orlando Drummond hoje, sou Seu Peru.”

    Assalto

    Outra história frequentemente contada por Orlando Drummond é a vez em que foi ‘salvo’ de um assalto após bandidos o reconhecerem. O fato ocorreu na estrada Grajaú-Jacarepaguá, à noite, após a gravação de um programa.

    “Me pararam no meio da estrada. Oito camaradas, e um deles com uma arma. Parei o carro, saí de mãos para o alto e dirigi-me a eles”, relembra Orlando, que inventou uma história sobre a gravidez da mulher para tentar se desvencilhar do problema.

    Ele explicava: “Não tinha mulher grávida nenhuma, eu inventei aquilo, que era para não ser assaltado. Mas o Peru me salvou!”.

    “Um garoto no meio deles: ‘Esse aí é o Seu Peru, da televisão! Ele que faz o Scooby-Doo’. Me devolveram tudo. Fiz as vozes todas e consegui passar naquele ‘teste’. Me levaram para uma portinha que tinha ali, tomamos umas cervejinhas. Eu paguei!”.

    “Seu Peru me salvou e me levou para casa. Fui embora, graças a Deus”, conclui Drummond sobre a história inusitada. 

    Mais sobre a editoria

    Guia da Cidade
    INCLUA SEU ESTABELECIMENTO

    Assine (35) 3529-2750

    Fale Conosco contato@folhadamanha.com.br

    WhatsApp (35) 9 8829-8351

    © 1984 - 2019 Folha da Manhã. Todos os direitos reservados.
    Desenvolvido por Mediaplus